Blog

09/04/2020

COVID-19 | Programa Emergencial de Suporte a Empregos: Minha empresa terá direito ao crédito?

Com a publicação da Medida Provisória nº 944/2020, o Governo Federal instituiu o “Programa Emergencial de Suporte a Empregos”, que consiste em uma linha de crédito emergencial destinada a empresários, sociedades empresárias e sociedades cooperativas – exceto as sociedades de crédito – e terá a finalidade exclusiva de pagamento da folha salarial de seus empregados.

As operações de crédito irão abranger pequenas e médias empresas, limitando àquelas cujo faturamento bruto anual no exercício de 2019 tenha sido superior a R$360.000,00 (trezentos e sessenta mil reais) e igual ou inferior a R$10.000.000,00 (dez milhões de reais).

Esta linha de crédito financiará a totalidade da folha de pagamento do contratante por um período de 02 (dois) meses, limitando o benefício ao valor equivalente a, no máximo, duas vezes o salário-mínimo vigente por empregado.

Para Carlos Melles, presidente do Sebrae, a disponibilização deste crédito será fundamental para a manutenção dos pequenos negócios, os quais considera o alicerce da economia no país. Segundo ele, “o Brasil tem 16,9 milhões de pequenos negócios, equivalentes a 44,3% da massa salarial do país e 29,5% do PIB nacional. Essas empresas estão entre as mais vulneráveis na crise. Agora, esses empreendedores começam a enxergar um horizonte”.¹

Aqueles que optarem por contratar o financiamento deverão assumir, contratualmente, a obrigação de fornecer informações verídicas, bem como de não utilizar os recursos para outra finalidade que não seja o pagamento de seus empregados.

Ainda, não poderão rescindir, sem justa causa, o contrato de trabalho de seus funcionários durante o período entre a data de contratação do financiamento e o 60º (sexagésimo) dia após o recebimento da última parcela do crédito.

O maior atrativo do programa são as condições estabelecidas: a) taxa de juros de 3,75% ao ano sobre o valor concedido; b) prazo de 36 (trinta e seis meses) para pagamento da dívida; c) carência de 06 (seis) meses para o início do pagamento, com capitalização de juros durante esse período.

Para ter acesso à linha de crédito, o contratante deverá ter sua folha de pagamento processada por uma das instituições financeiras participantes do programa.

Portanto, poderão participar do programa todas as instituições financeiras que estejam sujeitas à supervisão do Banco Central do Brasil.

 As instituições participantes terão prazo até 30 de junho de 2020 para formalizar as operações de crédito estabelecidas pelo programa.

De acordo com o BNDES, serão disponibilizados R$40 bilhões (R$20 bilhões por mês) para o programa². Os recursos serão custeados em 15% (quinze por cento) por recursos próprios das instituições financeiras participantes e 85% (oitenta e cinco por cento) pela União.

 

Acompanhe mais sobre os desdobramento legais decorrentes do Coronavírus (COVID-19) nas nossas redes sociais.

 

 

Grazielle Ferreira Gozzi

Advogada Associada - RZA Advocacia

OAB/MS 23.006

Pós Graduanda em Direito Civil e Empresarial

grazielle@rzaadvocacia.com.br 

 

_______________

Referências: 

¹ SEBRAE, Pequenas empresas contam com linha de crédito para pagar funcionários, Brasília: Sebrae, 2020. Disponível em: www.sebrae.com.br, acesso em: Abril/2020

 ² BNDES, Programa Emergencial de Suporte a Empregos, Rio de Janeiro: BNDES, 2020. Disponível em: www.bndes.gov.br, acesso em: Abril/2020.

POSTS RELACIONADOS

Vamos empreender?
Você tem um negócio próprio, ou quer ser o dono da própria empresa? Então você vai gostar dessas informações... Segundo o SEBRAE, através de um estudo que tem como objetivo estudar a a...

» ler post

A IMPORTÂNCIA DA INSTITUIÇÃO DE CONSELHOS EM EMPRESAS FAMILIARES
  Atualmente, no Brasil, a maioria das empresas são familiares. Há quem acredite que constituir uma empresa com base nos valores e laços de uma família é um diferencial positivo, sendo uma força, ou até...

» ler post

Sucessão Familiar – É hora de planejar!
Garantir o futuro dos filhos significa mais do que dividir riquezas, mas também encontrar estratégias para que essa riqueza familiar perpetue. O Planejamento Sucessório, cada vez mais, tem sido pauta das reuniões das fam&iacut...

» ler post

A INTEGRALIZAÇÃO DE BENS IMÓVEIS NO CAPITAL SOCIAL – REGISTRO E INCIDÊNCIA DE ITBI
O Capital Social, nada mais é, do que o conjunto de recursos providos pelos sócios ou acionistas que irão compor o quadro social, para que se formalize a constituição da sociedade. Ou seja, trata-se do patrimônio ...

» ler post

ATIVIDADE EMPRESÁRIA INFORMAL: ENTENDA OS RISCOS E DESVANTAGENS
Nos últimos anos, vem crescendo entre os brasileiros o a vontade e o espírito de empreender. Quem nunca parou para pensar em como seria ser o dono do próprio negócio? Diante do atual cenário econômico do nosso pa&...

» ler post

PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO NO ÂMBITO DA EMPRESA FAMILIAR
Iniciamos com as palavras de Arnaldo Rizzardo, “Na humanidade nada é eterno, duradouro ou definitivo. É o homem perseguido pelo estigma de sua finitude, que o acompanha em sua consciência e limita os anseios no futuro. Esta a ver...

» ler post

SOCIEDADE UNIPESSOAL LTDA. X EIRELI: ENTENDA AS DIFERENÇAS E SAIBA QUAL OPTAR
Até pouco tempo atrás, as alternativas para se constituir uma empresa com uma única pessoa (sem sócios) não eram tão variadas. Ainda, alguns tipos empresariais traziam características que não os torn...

» ler post

COMPLIANCE: O QUE É E QUAL O SEU PAPEL NA SAÚDE DOS NEGÓCIOS
Nos últimos tempos, o Compliance vem se tornando um tema de muita relevância no ambiente empresarial. Isto porque, sua aplicação busca mitigar os riscos inerentes à atividade. Mas você sabe o que é Complianc...

» ler post

EMPREENDEDORISMO: QUERO ABRIR MEU PRÓPRIO NEGÓCIO. E AGORA?
Ser o dono do próprio negócio é o sonho de muitos brasileiros. Mas essa não é uma tarefa fácil! A ideia de começar tudo do zero e investir em algo incerto acaba intimidando grande parte dos possívei...

» ler post

CUIDADOS INDISPENSÁVEIS PARA SE MANTER UM “NEGÓCIO EM FAMÍLIA”
Segundo dados do Sebrae e do IBGE, hoje 9 a cada 10 empresas brasileiras são familiares, podendo ser consideradas como um pilar da economia nacional. No entanto, estas empresas apresentam peculiaridades que requerem extrema atenção. S...

» ler post



`